Reserve
A “baianidade” nas artes de Salvador.
Artistas-Baianos

A “baianidade” nas artes de Salvador.

As artes sem dúvida foram e são um veiculo de promoção de um destino turístico e a cultura baiana teve também artistas que foram importantes “embaixadores” para esta promoção, especialmente nas artes vinculadas ao mundo do candomblé, teve e tem ainda uma forte fonte de inspiração.

Destacam-se os artistas Pierre Verger na fotografia, Mario Cravo na escultura, Jorge Amado na literatura, Dorival Caymmi na música e Carybé como artista plástico. O que estes artistas têm em comum? Nutriram-se do aspecto religioso e elaboraram uma estética que revitalizou as artes baianas, projetando-as nacional e internacionalmente. Essa estética produzida assim por estes artistas traduzia e traduz no imaginário, uma Bahia mestiça, afável e hospitaleira, cheia de cores, sensualidade e de sua rica cozinha bem condimentada.

A união mais forte entre eles era que eles eram parte do candomblé afro-brasileiro, eram obás, ministros de Xangô do Ilê Axé Apô Afonjá, na época de Mãe Senhora (uma mãe de santo negra que soube trazer para próximo de si importantes lideranças religiosas e uma parcela influente da classe artística e intelectual de Salvador) e Mãe Menininha do Gantois.

A Bahia, e especialmente Salvador reconheceram e imortalizaram a “baianidade” destes artistas, mesmo aqueles que não foram nascidos em terras baianas, até de outros países, mas que adotaram a Bahia e Salvador como seus lares, exemplo disso são os espaços reconhecidamente criados para manter a memória e as obras destes artistas e influenciadores.

A Fundação Pierre Verger, do fotografo francês, mantém viva toda sua história e sua obra, fica na Ladeira da Vila América, 6 – Engenho Velho de Brotas, aberto de segunda a sexta feira das 08h00-12h00 / 13h00- 17h00, além da Fundação Pierre Verger Galeria no Pelourinho. Outro endereço para se apreciar obras de Verger e recém-inaugurado pela prefeitura de Salvador é o espaço Pierre Verger da Fotografia, no Forte de Santa Maria.

Homenagem igual merece o artista argentino, Hector Julio Páride Bernabó, o Carybé. Um espaço que através de recursos de mídia digital e realidade virtual, apresentam a grandeza artística de Carybé, suas diversas técnicas e linguagens utilizadas e a importância para Salvador. Funciona no Forte de São Diogo, Rua Forte de São Diogo, 48 – Bairro Barra. O espaço foi inaugurado em 2016. Também outra opção para “mergulhar” um pouco mais nas obras de Carybé, visite o Instituto Carybé, Rua Medeiros Neto, 09 – Brotas.

Mário Cravo, aos 95 anos, é o último modernista baiano vivo. Existe um Parque Metropolitano de Pituaçu, chamado Espaço Mário Cravo e o Parque das Esculturas, porém o espaço não está aberto para visitas, Ali hoje se encontram poucas obras do artista. A Secretaria de Meio Ambiente (Sema), Secretaria de Cultura da Bahia (Secult), se comprometeram em catalogar/preservar e manter o acervo no local, além de reformar o espaço.

Já a Fundação Casa de Jorge Amado é o espaço mantém viva a memória do escritor, conta com exposição permanente de documentos, fotografias, livros, adaptações e objetos relacionados. A Fundação Casa de Jorge Amado fica no Largo do Pelourinho, 51 – Pelourinho, e funciona de segunda a sexta das 10h00 as 18h00 e aos sábados das 10h00 as 16h00.

Venha para Salvador, conheça as obras destes artistas que levaram a “baianidade” para o mundo através de suas obras de arte. Salvador e a Bahia sempre influenciaram a cultura brasileira, além de tantas belezas naturais que o Estado da Bahia tem, e especialmente Salvador, as artes manifestações artísticas são um de seus maiores patrimônios. Estamos te Esperando!

LEIAS OUTRAS DICAS DE SALVADOR